Diamonter: Lapidando o melhor do blues

Quinta-feira, dia 22 de novembro, às 18 hrs, o Beer Garden Cambirela abre seus portões para mais um Happy Hour musical e recebe a banda Diamonter a partir das 20 hrs.

Trocamos algumas ideias com a banda para saber mais sobre sua jornada. Confira a entrevista!

ERICK ELLWANGER: Quem compõe a banda e qual instrumento toca?

A banda é composta por Zélio Nhepes, guitarra e vocais; Aliel Salvador, baixo e backing vocals e Rafael Araújo na bateria.

Conta pra gente um pouco da história musical da banda

O início da banda se deu com a vontade de fomentar o blues nesta região. Eu, Zélio, já possuía uma banda com esse propósito mas por motivo de distância da minha cidade natal não conseguimos manter o projeto. Tentei por algumas vezes procurar pessoal pra tocar aqui na cidade, Tubarão, porém sem muito êxito. Até que um dia estava lendo a biografia do Led Zeppelin e isso acabou me incentivando a ir atrás dos melhores músicos que poderia encontrar. Acabei conhecendo um baixista chamado André Lobo e nisso já tinha conversado com o Rafael, sempre que pedirá sobre algum baterista de grande valor na cidade citavam o seu nome, e decidimos ensaiar para nos conhecer. Infelizmente/felizmente o André teve que voltar para Porto Alegre onde tinha vários projetos por lá. Nisso o Rafael falou que tinha um amigo guitarrista que se propôs a tocar baixo com nós, quando vi era o Aliel Salvador, já tinha visto ele tocando guitarra e sabia que é um dos melhores da região, quando o vi tocando baixo tive a certeza que ele era o cara certo, sentimos como se o elo finalmente tinha fechado.

Qual a ideia por trás do nome Diamonter?

Foi algo natural que aconteceu, estávamos ensaiando sem nome algum e simplesmente pensando em fazer o nosso melhor. Um dia pensei sobre a palavra “Diamont”, apesar de forte representava apenas o singular. Foi quando decidi procurar palavras em outras línguas para tentar formar um nome que evidenciasse a pluralidade da banda, então encontrei a palavra “monter” que do francês significa monte. Acabei unindo as palavras e se tornou “Diamonter”. É assim que identificamos a banda, 3 diamantes brutos sendo lapidados constantemente.

“É assim que identificamos a banda, 3 diamantes brutos sendo lapidados constantemente.”  

Diamonter

O que despertou a paixão de vocês pela música?

Acreditamos na música como algo potencializador do nosso próprio ser. Uma extensão da alma, que acaba nos motivando internamente quando percebemos a ligação que ela proporciona com uma variedade de pessoas, com pensamentos diferentes, ideais diferentes porém no momento que ela está sendo executada acaba sincronizando a todos.

Quais os estilos musicais que inspiram vocês? Quais estilos vocês tocam?

A banda particularmente é influenciada pelo Blues (Chicago blues principalmente), Jazz e pelo Rock. Tocamos Blues com clara influência dessas outras 2 supracitadas.

O que acham do cenário musical na região, especialmente o alternativo?

Ultimamente o espaço para músicas não convencionais, assim nos referimos ao que não está na moda no momento, vêm aumentando tão como a quantidade de bandas. Possuímos um cenário musical que precisa ser fomentado, pois tem som para todos os gostos, desde o metal, reggae, rock, rock nacional, grunge… O importante é que há bandas se arriscando cada vez mais e proporcionando essa pluralidade de estilos que acaba por conectar todo esse grupo do “alternativo”.

“Acreditamos na música como algo potencializador do nosso próprio ser. Uma extensão da alma..”

Diamonter

Vocês tem algum trabalho autoral?

Individualmente cada um possui o seu(s) trabalho(s) de origem autoral em estilos variados. Por enquanto estamos fazendo o que nossos predecessores executaram, ouvindo muito do Blues antigo, pesquisando,  trazendo as músicas com um arranjo e uma linguagem assim como a tocabilidade mais atual. Isso é extremamente importante nessa fase para formarmos nossa identidade antes de colocar qualquer “filho” no mundo.

Qual a opinião de vocês sobre os eventos da Cambirela?

Sem parecermos lisonjeadores, a Cambirela é local de gente bonita, pessoas do bem, com uma cerveja diferenciada para todos os paladares e que agrada a todos que os frequentam. Os eventos são sempre com um público ótimo e receptivo, e a princípio sem sugestões para mudanças, na realidade esperamos que continue como está!

E qual a expectativa de vocês em tocar no Beer Garden dia 22/11?

Agradecemos a oportunidade, sempre é um prazer frequentar a vossa casa e melhor ainda podendo executar o nosso trabalho para esse público que já tecemos os adjetivos. Esperamos que tudo ocorra da melhor forma possível, que tenha um bom público, que possamos conhecer novos amigos e principalmente que todos se divirtam em um clima de muita paz e luz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *